top of page

Carência Afetiva

Vazios que ecoam nas relações

As pessoas são seres sociais. Precisam de relacionamentos para viver de forma saudável. Precisam amar e serem amadas. É por meio das relações, sejam familiares, de amizade ou amorosas, que se sentem aceitas, reconhecidas e respeitadas.


Sem essas relações, mesmo que temporariamente, as pessoas podem se sentir vazias e incompletas. É a chamada carência afetiva, que envolve a sensação de falta, de desamparo e de insegurança.


Uma de suas principais causas é, de fato, a ausência de cuidados. Mas, em muitos casos, a carência se apresenta de forma exagerada, levando à construção de relações de dependência, em que o outro é tido como o responsável por completar os vazios do carente.


Quem apresenta carência afetiva exagerada pode ter alguns comportamentos característicos, como o pavor em ficar sozinho, constantes cobranças, ciúmes e a provocação de discussões para chamar a atenção. O carente costuma ter baixa autoestima e pode até se sentir na "obrigação" de agradar ao outro, causando a si próprio ainda mais sofrimento.


Por isso, pessoas carentes acabam ficando mais expostas a serem vítimas de relacionamentos tóxicos e companheiros abusadores. Na busca excessiva por cuidado e vínculo, podem permanecer em relações ruins, terem comportamentos submissos e aceitar situações difíceis, por medo ou incapacidade de ficarem sozinhas.


A carência, quando razoável, faz parte da condição humana, mas, ao perceber que seu nível está excessivo, é importante procurar ajuda psicológica. Com o acompanhamento profissional, é possível desenvolver o autoconhecimento e resgatar a autoestima, para evitar situações e padrões mentais que causem prejuízos à sua vida.


Administrar a carência afetiva, praticar o autocuidado e aprender a gostar da própria companhia permite a construção de relações melhores, nas quais você possa dar e receber atenção, carinho e cuidado, mas sem qualquer grau de dependência. Isso leva a uma vida mais leve, com relacionamentos cada vez mais saudáveis e equilibrados.





 

Commentaires


bottom of page